C'est moi... le Chef ! (I)

segunda-feira, setembro 01, 2008

Toda a verdade: "Os Chapéus dos Cozinheiros. Que segredos escondem?"

Prólogo: Ele sabe. A besta humana, Carlos Carvalho, tem a resposta. «Toda a verdade», segue dentro de momentos.

Apurar a verdade e fazer justiça é não permitir que a investigação seja desviada dos seus objectivos essenciais, é levá-la até ao julgamento e punição dos culpados. Este artigo - com bolinha - não visa disseminar qualquer ideologia, religião ou organização... pretende apenas denunciar e pôr a descoberto aquele que para muitos é (pausa).. o décimo segredo de Fátima. Mas não se pense que foi fácil chegar até ao segredo [...] foram precisos meses de escutas telefónicas, meses de leitura, meses de imolação e oblação pessoal para que no fim .. a verdade pudesse vir ao de cima. Quero os meus leitores informados, quero os meus leitores sabedores da verdade, quero fazer dos meus leitores autênticos mestres.. quero que saibam em primeira mão todas as alíneas deste imbróglio. Depois da leitura deste artigo, o leitor ficará a saber quem foi na verdade Carlos Carvalho, quem foram os seus adversários e .. quem é o seu (actual) sucessor/herdeiro.

O Génesis da História

Os cozinheiros.
Sem eles estaríamos ainda hoje a comer bicharada crua, e muito possivelmente a arrastar as nossas mulheres pelos cabelos para dentro de grutas.
As civilizações modernas... essas já não passam sem os cozinheiros. Mas porquê o tamanho inusitado de alguns dos chapéus brancos dos profissionais da confecção de alimentos?

Na verdade, tudo começou com o primeiro cozinheiro da História. Onde? Na Moldávia.

Os Factos da História

Carlos Carvalho foi o primeiro cozinheiro do mundo. Foi dele - igualmente - a ideia de criar uma divisão extra nas casas dos seres humanos. A cozinha. Até então, a comida era preparada basicamente onde calhava. Há inclusivamente relatos de pessoas que preparavam sopas de peixe em lugares bizarros como escritórios, quartos de dormir, em cima de camas ou em casas de banho de formas mediavais que o pudor me impede - aqui - de descrever em detalhe. Foi então que Carvalho, do alto da sua rectidão, transformou o quarto, de um dos filhos, na primeira cozinha da história.

Perguntará o ouvinte:
Então e o filho? Para onde foi?

Quanto ao filho.. a verdade é que nunca mais ninguém o viu. Há inclusive uma lenda que diz que o jovem, de vinte e dois anos, pode numa das primeiras experiências culinárias do pai, ter sido transformado num arroz malandro. Malvado. A verdade é que não consegui apurar a verdade. Carlos Carvalho, esse, sempre disse que o seu filho tinha morrido com peste. De facto na idade média, a peste servia de desculpa para muita coisa, assim como hoje as constipações e as gripes se encontram entre as desculpas mais usadas para não trabalhar, na altura.. uma pessoa livrava-se facilmente de compromissos dizendo:

Anónimo ♂ - Epá (tosse muita tosse) esta semana não posso mesmo ir lavrar as terras do meu senhor feudal (tosse, tosse, tosse). Porque apanhei cá uma peste (tosse). C'a grand'a peste!

Anexo: Como é evidente esta desculpa não era dada por telefone. Usei aqui este sistema para que o leitor moderno compreenda melhor a ideia.

Na verdade, naquela altura, uma pessoa que não quisesse ir trabalhar via-se obrigada a entregar a sua desculpa ao patrão através de um mensageiro a pé. Os mensageiros demoravam tanto tempo a chegar ao destino, que quando chegavam aquilo que inicialmente era uma desculpa esfarrapada já se tinha transformado num facto real. Durante a viagem do mensageiro, muitos autores de mensagens de desculpa acabavam, de facto, por apanhar peste... e morrer.

Como não havia cozinheiros, Carlos Carvalho, ditou as regras do que devia ser um cozinheiro. Fã de chapéus, Carvalho passou a usar um na cabeça. Branco e com uma altura de apenas 5 centímetros. Esta altura de chapéu seria ultrapassada pelo segundo cozinheiro da história, Tomás Costa, natural do Liechtenstein, o seu chapéu media já a considerável altura de 10 centímetros, algo que enfureceu o primeiro cozinheiro da história. Carlos Carvalho respondeu, aumentando o tamanho do seu chapéu de cozinheiro, para uns aparentemente seguros, 15 centímetros, não estando por isso minimamente preparado para a chocante decisão do segundo cozinheiro da história, Tomás Costa, de aumentar o seu chapéu para uns extravagantes 20 centímetros.

Mais tarde Carlos e Tomás haviam de se matar um ao outro, e supõe-se que um terceiro cozinheiro chamado Tiago Búzio, tenha feito um arroz malandro à conta disso.

Com o passar dos tempos, os chapéus dos cozinheiros foram crescendo. O recorde continua em Portugal, é sabido que o famoso Chefe Silva possui um chapéu de cozinheiro de 30 metros de altura. Mas nunca mais o usou depois do incidente ocorrido com o anterior recordista - um chefe francês João Frederico - contra cujo chapéu um grupo de terroristas fez embater uma avioneta (BOOM!)


Participação especial de:

Carlos Carvalho (o bêbedo da foto)
Tomás Costa
Tiago Búzio
João Frederico
_______________________
Cuidado com os teleféricos.

3 comentários:

Sámot disse...

pah... só tenho duas coisas a acrescentar... um grande LOOOL.
e também, dizer que o senhor carlinhos bala está extremamente sexy! ha pois!! xD

A Besta disse...

ai esta, a minha verdadeira historia...relatada na perfeiçao por um fantastico comunicador. tenho a dizer k como estou morto...contactei o sr Mota atravez duma bruxa mto conhecida..a MAYA..ela fez a ligaçao pó meu mundo e estabelecemos contacto. felecitaçoes e continuaçao dum bom trabalho.

Ivan Mota disse...

grande és tu maluco.

Sempre às ordens.
Grande abraço []

  © Blogger templates Newspaper by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP