O Teorema do Ouriço.

segunda-feira, fevereiro 11, 2008



Está na hora!
Depois de horas de reflexão - "ermíticas" - cheguei a um veredicto... findado que está este ciclo, findada que está esta maré de azar, comprometo-me a prestar factos. Quero fazer uma análise global de tudo o que me foi - aqui e ali - contristando a mente.



Os (velhos) tempos em que o mundo era "cor-de-rosa" ficaram algures entre o século XIV e o XVI. A noção de tempo esbate-se à medida que vai passando. Sem falsos demagogismos convém realçar que um amor assim - não deixa de ser amor só porque se viu despojado subitamente de perguntas e de grandes discussões que marcam a vida de um casal em teoria feliz. Nem tão pouco ... o silêncio de 1,5 segundo(s) que desperta a dúvida: será que ele ainda me ama? Uma vida, a dois, assim é complicada meus senhores. Soluções? Sim, já existem soluções. Para quê gostar de alguém se isso nos vai dar uma chatice danada? É desta forma que surge no mercado um produto inovador chamado: Amor em sistema de part-time! Amor em sistema de part-time poupa tempo. Aquele conceito de que o amor só é vivido quando passado 25 horas (por dia) com a nossa cara-metade, é finalmente metido num saco bem fundo e guardado como se fosse um apontamento escolar... um amor de tamanha carga horária pode dar em asfixia e isso, caso haja dúvida, ainda é crime por estes lados. Amor em sistema de part-time poupa dinheiro. Sim, poupa dinheiro. O amor em part-time não manda sms’s de quatro em quatro segundos com discussões de quem ama verdadeiramenta mais... porque um “gosto de ti” e um “mas eu gosto mais” multiplicado por 1047 mensagens ao dia, resume-se à devassa por completo da conta bancária no final do mês... e a isso, nenhum amor resiste. Amor em sistema de part-time poupa neurónios. É um facto, e não me venham dizer o contrário. Para quê ler a enciclopédia "XPTO" numa semana para dar ares de mestre, se depois os brilharetes seguem mesmo noutras direcções? Qual a necessidade de estourar a cabeça com mil planos e esquemas de ir aqui e ali em determinado dia? É onde calhar! O Amor em sistema part-time poupa amor. Isso mesmo! Porque assim não há desculpas de “agora não me apetece”; “estou farta disto tudo”; “preciso de um tempo para respirar sim?”, porque há sempre vontade de mais, sempre mais, desejo de mais, procura de mais... e claro, garantia de mais... ainda que em part-time! Deixem-se de amores platónicos; isso já é obsoleto...Invistam no part-time.
_______________________
Cuidado com os teleféricos.

9 comentários:

dancerinthemoonlight disse...

para compensar os q escrevem simples (nao descuidando do muito nas entrelinhas, nunca!), ha' sempre os q escreve assim, como tu. ;P

gosto do tom sarca'stico e/ou irónico do post. tens razao, poupa-se bastante com esse sistema mas.. qual a finalidade de poupar amor se o objectivo deste e' ser dado e re-dado? dores de cabeça dão-nos muitas situações. não só o excesso como a escassez. eu devo ser retrógrada nestas coisas mas prefiro o amor q nos fornece silêncios e olhares.. é verdade q dá trabalho, é verdade q nao se encontra em qq esquina, é verdade q por vezes temos uma vontade tola de mandar tudo pro ar e dizer 'q se lixe' bem alto! sao os falsos amores.. ora pois. afinal n era como tinhamos previsto e puff cabeçada! mas resta.nos aprender e seguir em frente. a vidinha é mesmo assim..
até pq qd corre bem.. diz lá q nao valem a pena os full-time(s) q temos por nossa conta? :D

os telefe'ricos agora tb já sao perigosos? explica-me la'. :)

Turion Ken Taurus disse...

Adorei o texto, embora não me identifique exactamente com ele... sei que é de facto uma realidade para muita gente. Também eu pensei assim quando me sentia vazia... mas sempre preferi o amor a tempo inteiro (e por inteiro), ao amor part-time, às relações fugazes e desprendidas.

Mas compreendo, porque até à bem pouco tempo, na tal época em que me sentia vazia, pensava assim... "nada melhor que desprendimento... assim não dói!"
Mas essa minha atitude não passava de defesa ao meu estado "oco".
Beijinhos.

Seasoing disse...

Gostei do texto, e acredito que muita gente viva assim, nessa do amor em part-time, enfim, eu ainda não me sinto maduro para uma relação assim, gosto de estar na minha onda, estar com os meus amigos, ainda não me quero prender assim muito, ainda sou muito novo e tenho uma vida longa (espero eu) pela frente!

Props []

'stracciatella disse...

Prefiro o full-time: dá mais trabalho, mas também se ganha mais.
Se bem que há falta de melhor.. :S

***

algém disse...

Tanta ironia misturada com sarcasmo meu caro... Até faz mal à saúde...

Teleférico disse...

Olhe que não Olhe que não.

'stracciatella disse...

Por vezes, melhor é impossível e temos de nos contentar com o que há. É triste, mas é mesmo assim. =/

***

rectificação: 'à falta de melhor'. enganei.me.

Teleférico disse...

Sem querer alimentar conversa digo-lhe que decidi seguir o exemplo de uma carismática amiga... bastante erudita. Que uma vez disse:

"Ponha-se na sua vida"
"Preocupe-se com os seus problemas"

Não estou minimamente preocupado com o fazer bem ou mal à saúde.
Estas coisas são mesmo assim =X

minirádio disse...

Give time to time.
Time works many changes.
Nothing can be better than...FULL!

PS:
Preferentially...full whith extras! KIT COMPLETO!

...há que saber descobrir essa forma de nos complementarmos e, viver, com prazer, todos os extras que uma relação pode dar.
É muuuuuuito bom!

Dá é mais trabalho a encontrar...give time to time!

... knowledgeable persons say!

  © Blogger templates Newspaper by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP